Amália Rodrigues - Centenário do seu Nascimento

A celebração do Centenário do seu Nascimento, em 2020 e 2021 será uma ocasião ímpar para ganharmos uma fundada consciência da importância de Amália Rodrigues na cena cultural contemporânea.

No ano de 2020 assinala-se o Centenário do seu Nascimento através de uma vasta programação.

A  abertura oficial das Comemorações do Centenário do Nascimento de Amália Rodrigues terá lugar em Lisboa, no dia 1 de Julho de 2020 estendendo-se as celebrações durante o ano de 2021.

 

Artista universal, Amália Rodrigues (1920-1999) é uma das personalidades mais importantes da história da música do século XX.  A sua carreira internacional foi das mais longas e globais de todo o século XX.

 

Em pleno século XXI, o seu legado permanece vivo, moderno e intemporal. No esplendor das suas metamorfoses e ciclos, o vasto património fonográfico de Amália Rodrigues afirmou-a, há muito, como uma das melhores cantoras dos nossos tempos.

Desde a sua estreia profissional, em 1939, no Retiro da Severa, Amália foi um fenómeno de popularidade. Arrebatou plateias, acendeu paixões e suscitou os mais animados debates. No pós-guerra, Amália Rodrigues era já a grande figura de referência no panorama musical português.

Com um sucesso absoluto em Portugal, a sua carreira internacional foi das mais apoteóticas e das mais globais de todo o século XX. O mundo foi o seu palco natural e a sua voz o instrumento privilegiado para cantar toda a poesia portuguesa, do repertório trovadoresco e renascentista à criação literária contemporânea.

Em Espanha, no Brasil, no México, nos Estados Unidos, em França, Itália ou Japão,  Amália Rodrigues alcançou uma consagração sem precedentes, sucessivamente aclamada e idolatrada pelo público e pela crítica. Em todo o mundo e ao longo dos anos, Amália Rodrigues recebeu os mais prestigiados prémios e as mais altas condecorações.

Popular e erudito, moderno e intemporal, o legado de Amália Rodrigues devolve-nos, em imagens, a poderosa imanência dos grandes temas da nossa cultura. No claro-escuro da sua voz, reconhecemos a expressão mais universal das emoções num inventário ilimitado de sentimentos. Heterónimo de Portugal, da sua voz fizemos a nossa casa e nem mesmo o seu mediatismo internacional conseguiu apagar o sentimento de proximidade a que a sua simplicidade desarmante nos habituou.

Mas tal como a cantiga, também Amália Rodrigues é de toda a gente e não é de ninguém.

Detalhes

  • centenarioamaliarodrigues.pt
  • Museu Nacional do TrajePanteão NacionalMuseu Nacional do Teatro e da DançaMuseu do FadoCastelo de São JorgeTeatro Municipal S. Luiz
  • De 01 Jul, 2020 até 30 Jun, 2021