Festival Iminente

Criado em 2016, o Festival Iminente combina a nova música com a nova arte numa experiência de intensa intimidade coletiva. Iminente é tudo o que está acontecer ou está prestes a acontecer.

IMINENTE REGRESSA AO PANORÂMICO PARA
REFLECTIR SOBRE A IMPORTÂNCIA DA
ARTE NAS DINÂMICAS DA CIDADE

Depois de ter corrido mundo por Londres, Xangai e Rio de Janeiro, o Festival Iminente regressa ao Panorâmico de Monsanto, em Lisboa, entre 19 e 22 de Setembro, para quatro dias de intimidade cultural colectiva. Pelo ponto mais alto da cidade vão passar 100 artistas de 11 nacionalidades; das artes visuais, das artes performativas e da música, talentos firmados ou a despontar, reunidos em torno dos conceitos de identidade e diversidade.

O festival urbano de arte e música, co-organizado com a Câmara Municipal de Lisboa, tem curadoria de Alexandre Farto aka Vhils e da plataforma Underdogs, e este ano conta com a especial colaboração de Shaka Lion na selecção musical.
Na sua quarta edição em Portugal, o festival regressa para mostrar o que de melhor se faz nas diferentes subculturas ligadas à cena urbana, com um cartaz ue junta artistas consagrados com projectos inovadores aos novos talentos que estão a surgir em Portugal neste momento.
Ao longo dos quatro dias, passarão pelos cinco palcos do festival artistas musicais e visuais, b-boys, performers, dança contemporânea e debates. O habitual half-pipe também estará no recinto para demonstrações de alguns dos melhores skaters nacionais.

“A ideia é juntar todas estas formas de expressão, promovendo a conversa e a troca de ideias – reunimos todos estes quadrantes de cultura urbana e criamos uma experiência daquilo que é iminente em Lisboa agora. Muitas destas intervenções levantam questões de identidade ou têm raízes na lusofonia, uma componente importante na afirmação do festival desde o início”, explica Alexandre Farto.

No que toca ao alinhamento musical, Tiago Silva, director do festival, concretiza que “a diversidade está patente nos quatro dias, com uma programação bastante eclética que vai do trap, ao rap, ao hip-hop, ao fado, a projectos experimentais e às músicas do mundo. Este ano, criámos também o canal de Spotify Festival Iminente, para promover uma comunicação próxima entre os artistas e o público ao longo do ano.” No que refere às artes visuais, a linha curatorial para esta edição do Iminente aborda o tema da identidade. Tanto na reflexão sobre o eu e suas especificidades, como na pertença a uma comunidade, pensando a identidade política, cultural e urbana num espaço que tem, também ele, uma identidade muito forte.

A missão do festival continua a ser afirmar-se e crescer, do Panorâmico para o mundo. Remata Alexandre Farto: “Queremos ajudar a estabelecer os artistas portugueses ou aqueles que querem trabalhar a partir do território nacional. Porque vamos fazendo coisas noutros países mas a nossa base continua a ser Lisboa, é aqui que trabalhamos o ano inteiro.” 

INFORMAÇÃO ÚTIL

  • Preço: bilhetes diários, 15 euros.
  • Lotação máxima do espaço: 5.000 pessoas por dia.
  • Bilhetes à venda dia 2 de Setembro na Ticketline e locais habituais.
  • Horário: quinta a sábado das 15h00 às 02h00, domingo das 15h00 às 23h.
  • Mobilidade: acessos excluídos a automóvel. Transportes gratuitos a partir de Sete Rios e do Pólo Universitário da Ajuda.
  • Toda a informação no site, na app do festival e assinando a newsletter.

SOBRE O IMINENTE
O festival urbano de arte e música por excelência, o Iminente tem curadoria de Alexandre Farto aka Vhils e da plataforma Underdogs. Criado em 2016, o evento reúne o talento criativo multicultural que floresce em Lisboa e se espalha pelo mundo, levando a matriz lusófona a dialogar com outras expressões artísticas. Com vocação mundial – já passou por Londres, Xangai e Rio de Janeiro –, regressa ao Panorâmico de Monsanto em Lisboa entre 19 e 22 de Setembro de 2019.

SOBRE VHILS
Alexandre Farto aka Vhils é um artista de renome mundial. Nascido em Lisboa em 1987, desenvolveu uma linguagem singular que se tornou a sua assinatura artística. Destruindo para criar, remove as camadas das superfícies, qual arqueólogo urbano contemporâneo, e vai tornando visível o invisível. O seu trabalho está presente no espaço público de mais de 30 países e é exposto regularmente em galerias e instituições culturais do mundo inteiro. Já dirigiu uma produção de palco, várias curtas metragens e videoclipes para bandas como Orelha Negra, Buraka Som Sistema e U2. Fundou e co-dirige a plataforma Underdogs, a unidade criativa Solid Dogma e o Festival Iminente, tendo já assumido a curadoria de vários outros eventos e exposições.

SOBRE A UNDERDOGS
Underdogs é uma plataforma cultural com sede em Lisboa, que trabalha com artistas ligados às novas linguagens da cultura visual e gráfica de inspiração urbana. Estabelecido em 2010 e consolidado na sua presente forma em 2013, o projecto assenta em três áreas complementares: uma galeria com um programa expositivo inovador; a produção de edições artísticas originais e acessíveis; e um programa de arte pública que promove a arte como uma experiência quotidiana, complementado com um esquema de visitas guiadas e um serviço educativo.

SOBRE O PANORÂMICO
Localizado no Parque Florestal de Monsanto, nas instalações de um antigo restaurante, o Panorâmico de Lisboa funciona como um monumental miradouro, com a sua vista de 360º sobre a cidade. O ponto mais alto da cidade é um edifício de sete mil metros quadrados, com autoria do arquitecto Chaves da Costa e painéis cerâmicos de Manuela Madureira. Originalmente inaugurado em 1968, reabriu ao público em Setembro de 2017 e recebe o Festival Iminente desde 2018.

Detalhes