Rota do Fado

Conheça os bairros típicos do fado e descubra lugares que vão ficar na memória.

Ana Moura

17 de Setembro de 1979 (Intérprete)


Como vários fadistas da sua geração, Ana Moura não se inibe de passear pela pop mesmo quando canta o fado. O seu timbre particular e a paixão que coloca em cada nota despertaram cedo as atenções do meio fadista. A sua carreira evoluiu num ápice, mesmo ao nível internacional. Cantou no Carnegie Hall, em Nova Iorque, gravou e atuou com os Rolling Stones, participou num espetáculo de Prince. É uma das maiores e mais recentes estrelas do fado.

António Chaínho

27 de Janeiro de 1938 (Guitarrista; Compositor)


António Chaínho aprendeu com o pai a dedilhar a guitarra e aos 13 anos fez a sua primeira apresentação pública. Acompanhou os maiores fadistas de várias gerações e participou em eventos internacionais ao lado de grandes solistas como Paco De Lucia e John Williams. Além de executante exímio, Chaínho também é compositor. Tem sido incansável na divulgação da guitarra portuguesa.

António Parreira

13 de Junho de 1944 (Guitarrista; Compositor)


Inicia-se como instrumentista tocando nas tascas, no Alentejo, onde nasceu, mas é em Lisboa que desenvolve uma carreira que o leva a tocar nas melhores casas de fado, acompanhando grandes fadistas como Alfredo Marceneiro, Amália Rodrigues, Carlos do Carmo e Tristão da Silva. Além de excelente executante, também foi compositor, sendo da sua autoria dezenas de fados. Integra o corpo docente da escola de guitarra do Museu do Fado.

António dos Santos

14 de Março de 1919 - 18 de Setembro de 1993 (Intérpete; Autor; Compositor)


Uma das referências do fado jocoso, durante a primeira metade da sua carreira António dos Santos especializou-se nesse tipo de fado humorístico, cantando com um estilo muito próprio que rapidamente o popularizou. Nos anos 60 ganhou a alcunha do "baladeiro de Alfama", bairro que habitou durante quase toda a vida e onde geriu uma casa de fados de grande sucesso. Além de intérprete foi um exímio autor e compositor. "Gaivotas em Terra" e "Partir é Morrer um Pouco" são dois temas que assinou e que alcançaram maior sucesso.

António Rocha

20 de Junho de 1938 (Intérprete; Autor)


A vocação de fadista revelou-se de pequenino. Aos 13 anos ganhou o seu primeiro concurso de fado e aos 18 tornou-se profissional, apadrinhado pela fadista Deolinda Rodrigues. A sua popularidade nos anos sessenta valeu-lhe o título de "rei do fado". Autor da maior parte dos poemas que canta, António Rocha sempre fez questão de ter reportório próprio. Foi artista residente de algumas das mais conceituadas casas de fado e professor de intérpretes na Escola Guitarra Portuguesa do Museu do Fado.